Primeira-ministra britânica oferece R$ 200 mi à França por tratado de fronteira

A Inglaterra está propondo um acordo à França para fortalecer a sua segurança, em áreas onde estão localizadas as suas fronteiras. Para isso, Theresa May, a primeira-ministra britânica, ofereceu mais de 44,5 milhões de libras, o equivalente a quase 200 milhões de reais. Esse acordo tem como objetivo aumentar a cooperação entre Inglaterra e França, o que May considera que facilitará os acordos do Brexit em um futuro próximo.

A primeira-ministra encontrou Emmanuel Macron, presidente da França, em Sandhurst, uma academia militar para capacitação de oficiais do Exército britânico. Essas negociações mostram que o Reino Unido pode continuar sendo um importante aliado da França, e também para os outros países que fazem parte da União Europeia, apesar das  negociações do Brexit.

Embora o clima seja de amizade, as notícias de que novos contratos entre os dois países estão sendo acertados na 35ª cúpula anglo-francesa, com um dos acordos incluindo a concessão de um tesouro francês do século XI, a Tapeçaria de Bayeux, que acabou recebendo muitas críticas por parte da imprensa britânica.

O jornal Daily Mail publicou que fazer um empréstimo da Tapeçaria de Bayeux representou um gasto para o Reino Unido de 45 milhões de libras, além de mais uma tentativa de acabar com a imigração na cidade de Calais, que fica na costa francesa e é o local mais próximo do continente europeu, do território britânico. Já o jornal The Sun igualou a tentativa da União Europeia de dificultar a saída britânica do bloco, com a invasão que aconteceu em 1066 no Reino Unido, realizada por Guilherme, o Conquistador.

O presidente francês havia pedido uma colaboração ao Reino Unido para conseguir melhorar a segurança dos portos, localizados no Canal da Mancha e que estavam sendo usados como rotas para os imigrantes. O Reino Unido prometeu mais 44,5 milhões de libras para a França, para promover investimentos tecnológicos em suas barreiras e consequentemente ajudar na segurança dos portos.

De acordo com a primeira-ministra Theresa May, os acordos bilaterais fortalecem os comprometimentos, principalmente no setor de segurança. Também será preciso continuar com os valores democráticos para combater qualquer tipo de ameaça, que poderá ser doméstica ou de fora do país.