Clínica é condenada por engravidar mulher com o sêmen errado

Image result for inseminationApós ser engravidada com um sêmen que não era de seu marido, mulher entra com um processo contra Instituto de Fertilidade que cometeu o erro. Mesmo depois de ter sido condenado, representantes do Instituto afirmam que erro é possível.

No ano de 2007 um casal de La Pasma na Espanha decidiu ter um filho. Como o homem já havia realizado uma vasectomia, os dois decidiram procurar uma Clínica de fertilização para realizar um procedimento de fecundação em vitro.

Na clínica, um urologista submeteu o paciente a uma biopsia para poder extrair o sêmen. Durante seu circulo fértil foram extraídos cinco óvulos da paciente. Depois da fertilização, os dois melhores óvulos fecundados foram então inseridos na mulher. Após o procedimento o casal aguardou para poder realizar exames de gravides.

A notícia de que finalmente tinha conseguido engravidar chegou com muitas duvidas. De acordo com a clinica apesar dos espermatozoides de seu parceiros serem muito lentos, ou estarem imóveis, eles foram capazes de fecundar 4 dos 5 óvulos. Os exames também detectaram que o RH do dos recém-nascidos (ela deu a luz a gêmeos) era negativo, enquanto o RH tanto dela quanto de seu marido, é positivo.

De acordo com a vítima, seu marido começou a duvidar de sua fidelidade, já que a clinica questionou a eficiência de seus espermatozoides e ainda deixou claro o tipo do RH dos recém-nascidos.

Diante das dificuldades e os questionamentos, o marido decidiu encerrar o relacionamento. A mulher chegou a entra com um processo na justiça, alegando que seu ex não queria assumir responsabilidade financeira com os filhos. O seu ex-marido então apresentou um exame de paternidade que teria feito sem o consentimento dela. O exame comprovava que ele não era o pai dos gêmeos.

A vítima entrou então com um processo contra a Clínica Canário de Fertilidade, alegando que eles haviam usado o sêmen de um doador anônimo, e não utilizaram a amostra recolhida em biopsia.

O Supremo Tribunal da Espanha acabou confirmando o caso. Em primeira e em segunda estancia, os recursos apresentados pela clinica foram recusados pelo juiz.

A Clinica Canário foi condenada no final de fevereiro a pagar uma indenização no valor de U$ 315 mil euros a vítima.

A Sociedade Espanhola de Fertilidade se pronunciou na mídia afirmando que é impossível confundir duas amostras diferentes de espermatozoides, “quem tem experiência em embriologia sabe perfeitamente a diferença”.