Após proibição das criptomoedas na Coreia do Sul, bitcoin despenca 20%

As criptomoedas constantemente são alvos de debates sobre sua veracidade a longo prazo e sobre a segurança oferecida na criação destas moedas. A verdade é que elas demonstraram um passo a frente na evolução monetária em todo o mundo, provocando um excesso de cautela e medo da descentralização de algumas potências. O último país a proibir o uso de criptomoedas foi a Coreia do Sul, proibição oficializada no dia 16 de janeiro deste ano.

Após a proibição do uso do bitcoin em todo o território sul-coreano, o preço da moeda sofreu uma queda de 20% no mercado financeiro. Logo depois da confirmação de proibição da moeda realizada pelo ministro das finanças da Coreia do Sul, o preço da moeda sofreu queda de US$ 14,3 mil para US$ 11,6 mil.

De acordo com o site Metro, o ministro disse em entrevista concedida a uma rádio sul-coreana que o governo do país já havia debatido a utilização de criptomoedas, visualizando que deverá existir uma regularização das moedas digitais no país. No fim do ano passado, o bitcoin atingiu a cotação de US$ 20 mil.

Atualmente, a Coreia do Sul vive uma verdadeira febre de criptomoedas, sendo que os mais jovens são os maiores adeptos do bitcoin e outras criptomoedas como principal meio de pagamentos e investimentos. A procura dos cidadão coreanos pelo bitcoin é tão assídua que os investidores na moeda criaram uma forma de taxa para quem comprasse a moeda, chamada de “premium kimchi”. Essa taxação funcionava como uma cobrança extra para quem comprasse a moeda no país, elevando o preço das moedas digitais.

Houve uma série de protestos contra a medida tomada pelo governo na proibição das criptomoedas em todo o país. Uma petição que passou a ser veiculada pela internet foi assinada por 210 mil pessoas logo nas primeiras horas após a proibição, pedindo que fosse derrubada esta determinação de proibição.

De acordo com os manifestantes, “você pode até pensar que está protegendo a população, mas, nós, cidadãos, pensamos que o governo está roubando nosso sonho”. Segundo uma nota divulgada pelo governo da Coreia do Sul, “especulações excessivas e atividades fraudulentas terão graves consequências. Mas, o governo apoiará e até financiará o desenvolvimento da tecnologia blockchain”.